TALVEZ SEJA ISSO COM JACKELINE MOURÃO
TALVEZ SEJA ISSO COM JACKELINE MOURÃO

press to zoom
EU´PHORIA COM LIVIA LOPES
EU´PHORIA COM LIVIA LOPES

press to zoom
SOB CONTROLE COM ADAILSON DAGHER
SOB CONTROLE COM ADAILSON DAGHER

press to zoom
TALVEZ SEJA ISSO COM JACKELINE MOURÃO
TALVEZ SEJA ISSO COM JACKELINE MOURÃO

press to zoom

Em 2020-2021, em pandemia, migramos e recriamos os solos deste projeto para o modo online e ao vivo. Foi preciso repensar os processos, os encontros, as relações e os modos de se fazer dança para o virtual. Esperamos que você consiga assistir!

digital-dedo.png
JACKELINE MOURÃO
JACKELINE MOURÃO

press to zoom
JACKELINE MOURÃO
JACKELINE MOURÃO

press to zoom
JACKELINE MOURÃO
JACKELINE MOURÃO

press to zoom
JACKELINE MOURÃO
JACKELINE MOURÃO

press to zoom
1/4

TALVEZ SEJA ISSO / JACKELINE MOURÃO

Um processo inacabado que atinge a inquietude, a crítica, a curiosidade. Sobre se perder e alcançar limites e potencialidades. Sobre um corpo capaz de ser o que é: semelhança, singularidade, fragilidade. Investigando as fronteiras, e x p a n d i n d o – s e, deixando à mostra as imperfeições. Um gosto de coisas que explodem, aparecem e ressignificam.A intérprete/criadora movimenta-se : PEQUENA / grande ; FRÁGIL / forte ; selvagem buscadora / DELICADO SER. Uma tensão tão violenta que explode e rompe a resistência. Talvez FRÁGIL seja ser uma flor, talvez seja ser uma bomba. Talvez seja isso...

Intérprete/Criadora: Jackeline Mourão
Direção: Marcos Mattos e Renata Leoni Bhanu
Criação Audiovisual e Trilha Sonora: Reginaldo Borges
Figurino: Maíra Espindola

ADAILSON DAGHER
ADAILSON DAGHER

press to zoom
ADAILSON DAGHER
ADAILSON DAGHER

press to zoom
ADAILSON DAGHER
ADAILSON DAGHER

press to zoom
ADAILSON DAGHER
ADAILSON DAGHER

press to zoom
1/4

SOB CONTROLE / ADAILSON DAGHER

E s p a c i a l i d a d e / Indivíduo e espaço. Corpos dispostos no espaço aleatoriamente. O que acontece quando nada acontece? Quem controla o que? O contato que cria vínculos e pontes, como também ruídos de comunicação. O olhar captura o movimento, empreende leituras, permeia o gestual e o acumula:

R E P E T I D A M E N T E

Sob controle o intérprete/criador experimenta. Conecta e desconecta. Executa repetições insalubres, rende-se: entre o que é sano e insano move-se.comove- se. 

Intérprete/Criador: Adailson Dagher

Trilha Sonora: Reginaldo Borges

Figurino: Maíra Espíndola

Provocadores: Marcos Mattos e Maíra Espíndola Colaboradora: Franciella Cavalheri
 

RALFER CAMPAGNA
RALFER CAMPAGNA

press to zoom
RALFER CAMPAGNA
RALFER CAMPAGNA

press to zoom
RALFER CAMPAGNA
RALFER CAMPAGNA

press to zoom
RALFER CAMPAGNA
RALFER CAMPAGNA

press to zoom
1/4

DANÇAR AS FÚRIAS / RALFER CAMPAGNA

Na periferia do corpo. Corpus estranhus, bizarro, fora dos limites. Corpo bicha, não-heteronormativa, cuir, não-padronizade. Corpo em trânsito, exagerada... descobrindo formas de se mover em sociedade.  Atravessada por outros corpos e corpas. Atravessando, desconstruindo. Reconstruída. A intérprete se apresenta, performa a respeito das pessoalidades. Expõe-se. Corpo que quer ser o que quiser. Quer despir-se de rótulos fechatives. Quer celebrar. Por sob as opressões sobreviver, viver, (re)existir. Algum corpo que festeja com o que restar.

Intérprete/Performer: Ralfer Campagna

Provocadora: Franciella Cavalheri

Concepção de figurino: Maíra Espíndola e Ralfer Campagna

Confecção de figurino e cenário: Maíra Espíndola

Trilha sonora: Reginaldo Borges

Vozes performativas: Francisco Mallmann e Ralfer Campagna
Orientação de voz: Febraro de Oliveira

 

LIVIA LOPES
LIVIA LOPES

press to zoom
LIVIA LOPES
LIVIA LOPES

press to zoom
LIVIA LOPES
LIVIA LOPES

press to zoom
LIVIA LOPES
LIVIA LOPES

press to zoom
1/4

EUPHORIA / LIVIA LOPES

A obra de Jean-Michel Basquiat inspira essa pesquisa propondo temas e imagens de corpos estranhos, desmembrados, excluídos. A intérprete/criadora anima-se na linha que verte o excedente, overthinking, over much, over dose.O movimento busca o que seria a condição humana dentro da sociedade: suas ações, contradições e consequências. As barreiras que separam bolhas sociais sufocantes e libertadoras. Same old shit de excesso e caos. Caos, sobreposições e cores. Medo, descontrole e subversão. O ser em vários estados físicos; político, aberrante... O ser negro, sendo. Sendo!

Intérprete/Criadora: Livia Lopes

Provocadores: Maíra Espíndola e Marcos Mattos.

Trilha Sonora: Banda Gray – Album Shades of...

Criação de Luz: Reginaldo Borges

Figurino: Maíra Espindola
 

ROSE MENDONÇA
ROSE MENDONÇA

press to zoom
ROSE MENDONÇA
ROSE MENDONÇA

press to zoom
ROSE MENDONÇA
ROSE MENDONÇA

press to zoom
ROSE MENDONÇA
ROSE MENDONÇA

press to zoom
1/4

NU(M) SÓ CORPO / ROSE MENDONÇA

Num corpo de mulher moram vários ensinamentos. Sabedorias ancestrais transformadoras. A própria transformação como capacidade de criação. Cordões que ligam e carregam histórias, raízes. A consciência dos ciclos, do sagrado feminino, daquilo que foi silenciado.A intérprete/criadora propõe investigar a ancestralidade a partir de memórias corporais de corpos que resistem, que geram, reagem e acolhem... num só corpo, numa só mulher. 

Intérprete/Criadora: Rose Mendonça

Colaboradoras: Maria Elvira Machado e Franciella Cavalleri Dramaturgia e Direção: Marcos Mattos

Trilha Sonora e desenho de luz: Reginaldo Borges Figurino/Cenário: Maíra Espíndola

ARIANE NOGUEIRA
ARIANE NOGUEIRA

press to zoom
ARIANE NOGUEIRA
ARIANE NOGUEIRA

press to zoom
ARIANE NOGUEIRA
ARIANE NOGUEIRA

press to zoom
ARIANE NOGUEIRA
ARIANE NOGUEIRA

press to zoom
1/4

A PELE DE DENTRO / ARIANE NOGUEIRA

A partir do pensamento de que o corpo é portador de memória, história e herança, o espetáculo percorre um processo de descamação externa para encontrar a pele de dentro. Explorando as matrizes corporais afro brasileiras e as sensações latentes de seu próprio corpo, a intérprete segue movimentos aterrados, a sinuosidade e sensualidade dos quadris, a presença escapular, a flexão dos joelhos e pés descalços em contato com o chão, emergindo o que há de mais profundo na sua ancestralidade.

R í t m i c a. Inspirado em algumas orixás o espetáculo traz a força e a presença energética dessas mulheres negras e guerreiras, para compor cenicamente essa busca de identidade corpórea...

Intérprete/Criadora: Ariane Nogueira 

Dramaturgia e Direção: Marcos Mattos

Trilha Sonora e desenho de luz: Reginaldo Borges

Figurino: Maíra Espíndola

Operação de Luz: Adriel Santos

13-(1)
13-(1)

press to zoom
13
13

press to zoom
Jornal O Estado MS (2020)
Jornal O Estado MS (2020)

press to zoom
13-(1)
13-(1)

press to zoom
1/12

Participações, editais e premiações contempladas pelo trabalho / etapa1 do singulares

2019

- Estreia no Sesc Cultura MS

2020

- Reestreia na Temporada Quanto Custa? 

- Temporada Quanto Custa? | modo online/ao vivo
- JUNTA - Festival Internacional de Dança (Teresina/PI)

- Palco Virtual - Itaú Cultural

2021

- Temporada Quanto Custa? | modo online/ao vivo

CLIPPING